Releases para imprensa

Profissionais de RI destacam a relação entre boas práticas de governança corporativa e geração de valor para o acionista

Release para imprensa

O tema é uma das principais conclusões da oitava edição da pesquisa realizada por Deloitte e IBRI, lançada durante o 17º Encontro Nacional de Relação com Investidores e Mercados de Capitais

A pesquisa “Governança Corporativa e Relações com Investidores – Criação de valor em uma nova era de engajamento” aponta o cada vez mais fundamental papel do profissional da área como um guardião das práticas de governança corporativa nas empresas, destacando o nível de engajamento que eles possuem com a estrutura de governança das organizações. O estudo também aborda questões relacionadas ao crescente engajamento e ativismo dos investidores, e o que tem sido feito pelos profissionais da área e organizações para atender à crescente demanda de acionistas por informações de governança e ações do conselho de administração.

Os principais resultados das respostas da amostra composta por 54 profissionais da área de Relações com Investidores (RIs) de empresas que atuam no Brasil apontam:

  • Todos os entrevistados concordam que as boas práticas de governança corporativa têm um bom impacto para atrair e reter investidores (64% destacam como “concordo totalmente”);
  • 76% afirmam ser alto o nível de engajamento que possuem com a estrutura de governança corporativa da organização;
  • Praticamente toda a amostra (98% destacando os níveis de “concordo totalmente”, “concordo parcialmente” e “concordo”) aponta que tópicos de governança corporativa têm aparecido com frequência nas reuniões e discussões com investidores;
  • Entre os temas de governança corporativa que os investidores e acionistas têm manifestado interesse em discutir com as empresas, os participantes destacaram os seguintes pontos (em respostas múltiplas), separados em quatro grupos:

- Dentro do tema de “Finanças”, a estrutura financeira (41%) é o que mais foi apontado;

- Nas questões de “Estratégia”, fusões e aquisições e plano estratégico aparecem ambos com 39%;

- Foco na composição e organização do conselho de administração, com 24%, são os principais assinalados em “Assuntos do conselho”;

- Ênfase na apresentação e transparência dos resultados (19%) é o principal dentro dos temas de “Riscos e compliance”.

  • Apesar de a governança estar em progresso nas organizações, quase 70% dos profissionais de RI entrevistados ainda enxergam uma lacuna entre o valor percebido da empresa pela administração e por analistas e investidores;
  • Diante do cenário atual, as prioridades do RI têm mudado. E, não surpreendentemente, para um foco intenso na captura e na melhoria das percepções dos investidores, especialmente na dos investidores estrangeiros – destaque para esse ponto, que no ano passado era de 7% e hoje representa 12%;
  • Para 69%, em concordância com uma tendência crescente no mundo, há um desejo de engajamento direto entre os acionistas e investidores e o conselho de administração em assuntos de governança corporativa;
  • Os órgãos reguladores também estão focados nas questões de engajamento. Um exemplo é a instrução CVM Nº 561, emitida pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que entra em vigor de forma escalonada a partir de 2016 e que, entre outros temas, trata da participação e votação a distância em assembleias gerais. Os respondentes ainda estão divididos com relação ao impacto da medida – 44% vislumbram um impacto positivo, enquanto 37% não preveem nenhum impacto;
  • Mesmo que 47% dos participantes tenham respondido que já presenciaram situações em que ficou explícita a ação de ativismo por parte de investidores ou grupos de investidores, 43% não têm e não pretendem fazer uma avaliação periódica de vulnerabilidade em relação a campanhas de ativistas por parte dos acionistas.

O sócio da área de Auditoria da Deloitte e coordenador técnico do estudo, Bruce Mescher, destaca: “A evolução da governança no Brasil está ampliando o acesso e as formas de influência dos acionistas sobre os conselhos, o que traz uma nova dinâmica para a atuação do profissional de RI.”

Já o presidente executivo do IBRI, Rodrigo Luz, aponta para o tema de engajamento, uma questão cada vez mais crescente no dia a dia dos RIs, conforme aponta a nova edição do estudo: “Uma boa gestão do engajamento envolve assegurar a consistência da mensagem e a conformidade dos processos, aumentando, assim, a confiança do mercado sobre a organização.”

No 17º Encontro, Deloitte e IBRI também apresentam a versão eletrônica do “Manual de Gestão de Crises para Relações com Investidores”, com informações relevantes para as organizações pensarem em um processo maduro para suportar todo o ciclo de vida dos componentes de um cenário de crises, desde a sua identificação até a sua superação.

In Press Porter Novelli

Assessoria de imprensa

+55 (11) 3323-1581

deloitte@inpresspni.com.br

Você achou útil?