Pesquisas

Índice de mobilidade urbana 2019 

Medindo iniciativas globais para o futuro da mobilidade

Além de avaliar a situação de cidades em todo o mundo, a análise da Deloitte explora como seria a cidade ideal – que é inteligente, habitável e economicamente vibrante.

Uma cidade inteligente é aquela que dispõe de dados, líderes municipais e cidadãos que compreendem cada vez mais as condições das áreas em que vivem e se deslocam. Os governantes, com o auxílio de tecnologias como Internet das Coisas (IoT) e inteligência artificial (IA), podem obter uma vasta gama de informações para mapear as necessidades dos usuários dos transportes urbanos, em tempo reduzido e com menor custo.

O relatório global da Deloitte “Índice de Mobilidade Urbana 2019” explora as mudanças que ocorrem conforme pessoas e bens se movimentam nos transportes ativos – como calçada e ciclovias – e no transporte público, que desempenha um papel significativo no ecossistema da mobilidade. O estudo apresenta uma análise abrangente e objetiva do panorama da mobilidade nas cidades e previsões para o futuro das áreas urbanas.

A pesquisa ressalta que a mobilidade desempenha uma grande atribuição na prosperidade econômica de uma cidade e que a procura por soluções inovadoras é essencial para parte das questões conflituosas, entre elas investimentos, mas não é a única alternativa.

Mesmo as cidades que apresentam pontuações baixas no índice deste ano têm a possibilidade de redesenhar completamente o cenário de mobilidade nos próximos cinco ou dez anos, a ponto de se tornarem líderes no tema. Para isso, é preciso implementar soluções avançadas que resolvam alguns dos problemas perenes do transporte. As iniciativas bem-sucedidas são aquelas que priorizam integrações inteligentes entre os diferentes meios de locomoção.

A análise da Deloitte levou em conta três critérios principais:
  • Funcionamento e resiliência: Cidades que obtiveram as maiores pontuações nessa categoria oferecem múltiplos modos de transporte integrados, garantindo um sistema relativamente seguro, bem como manutenção de estradas e outras infraestruturas que minimizam congestionamentos e tempo de viagem.
  • Visão e liderança: A criação de um sistema de mobilidade de alto desempenho, resiliente e inclusivo não ocorre acidentalmente. A mobilidade urbana exige inovação, investimento e coordenação entre stakeholders e governos. Escolhas estratégicas também reduzem impactos ambientais negativos.
  • Serviço e inclusão: A mobilidade urbana deve ser acessível a todos os cidadãos. Cidades líderes no ranking oferecem cobertura no transporte público, além de alternativas acessíveis e variedade de modos de transporte.

Explore o mapa completo do "Índice de Mobilidade Urbana 2019" da Deloitte

Você achou útil?