Análise

Football Money League 2022

Um novo começo

A 25ª edição do estudo explora as receitas da temporada 2020/21 e traz também algumas descobertas sobre o impacto da Covid-19 no desempenho financeiro dos gigantes das maiores ligas do mundo.

A estudo global da Deloitte "Football Money League" analisa, anualmente, o desempenho financeiro dos clubes mais lucrativos do futebol mundial. A edição 2022 da pesquisa traz como principais novidades:

  • O Manchester City figura pela primeira vez como líder da Money League – o clube inglês é o quarto a liderar o ranking desde que o estudo passou a ser publicado, na temporada 1997/1998;
  • O aumento tímido da receita da Money League (1%) em relação à temporada 2019/20, a mais afetada pela pandemia;
  • Pela primeira vez na história do estudo, a receita das arquibancadas é a menor de todas as frentes de geração de arrecadação.
Football Money League 2022

Ingleses ultrapassam espanhóis

Os ‘Citizens’, no topo da Money League pela primeira vez, subiram cinco posições em relação ao estudo passado, com arrecadação de € 644,9 milhões na última temporada. É a primeira vez que o clube fundado em 1880 termina à frente de seu maior rival, o Manchester United. O ranking segue com Real Madrid (€ 640,7 milhões), Bayern de Munique (€ 611,4 milhões), Barcelona (€ 582,1 milhões) e Manchester United (€ 558 milhões). O destaque negativo fica por conta do clube catalão, que passou da primeira à quarta colocação.

Um total de € 8,2 bilhões (US$ 9 bilhões) foram obtidos na temporada 2020/2021 pelos 20 clubes mais lucrativos. Em relação ao ano anterior, a receita total aumentou apenas 1% e ficou bem abaixo do recorde de € 9,3 bilhões registrado em 2018/19. No agregado das duas últimas temporadas, € 2 bilhões de receita foram perdidos. A queda, é claro, se dá principalmente por conta do fechamento dos estádios ao público externo devido às restrições sanitárias.

No ”big five” – composto pelas ligas inglesa, espanhola, alemã, francesa e italiana – Manchester City, Real Madrid, Bayern De Munique, Paris Saint-Germain e Juventus foram os clubes que mais lucraram. Embora não tenha havido mudança no top 1 na Alemanha, França ou Itália, houve uma mudança na Inglaterra e na Espanha.

De todas as frentes de receita, a venda de ingressos foi a menor já registrada na história do estudo, cerca de € 111 milhões. A receita de transmissão, por sua vez, aumentou de € 1,4 bilhão em 2019/20 para € 4,6 bilhões. Já a receita comercial caiu 7% em relação ao recorde de 2019/20, atingindo € 3,5 bilhões.

A Deloitte também se atenta ao aumento da popularidade do futebol feminino. Pela primeira vez na história do estudo, os 20 clubes que lideram a Money League têm uma equipe feminina, um aumento de 70% em relação à primeira edição do estudo.

Você achou útil?