Article

Fusões e aquisições na indústria de óleo e gás 

Adaptações à nova realidade

O mercado de fusões e aquisições de óleo e gás apresentou uma leve recuperação no segundo trimestre de 2015 em relação ao número de transações e ao seu valor total em comparação com o primeiro trimestre. O crescimento é resultado, em parte, do anúncio de um grande acordo internacional.

Ao fim de 2014, pairava uma expectativa de que o ambiente de preços baixos teria curta duração. Ao longo de 2015, no entanto, a aceitação do cenário de preços baixos cresceu e resultou na retração de agentes do mercado, redução de custos e postergação de megaprojetos para preservação de caixa. 

A Deloitte apresenta o relatório “Fusões e aquisições na indústria de óleo e gás”, com o objetivo de oferecer uma visão geral sobre a dinâmica do mercado em 2015 e para o começo de 2016.

Destaques por subsetor:

• Exploração e produção: ao longo do segundo trimestre  de 2015, mais da metade do valor dos acordos pode ser atribuída a uma única grande transação;

• Exploração e produção: receita da maior companhia de serviços petrolíferos caiu mais de 25% em relação a 2014. As companhias focadas no mercado norte-americano de perfuração sofreram as maiores quedas;

• Midstream: o número de transações realizadas ou anunciadas no segundo trimestre de 2015 foi levemente acima do apresentado no primeiro trimestre. Apesar da maioria das transações possuir valor relativamente baixo, a trajetória do mercado mostrou-se ascendente;

• Refiro e comercialização: a atividade global de transações cresceu no segundo trimestre de 2015, mas seu valor total diminuiu. 

 

(Conteúdo em inglês)
Você achou útil?