Pesquisa

Climate check 2021

Visão global dos líderes de negócios sobre a sustentabilidade ambiental

Organizações de todo o mundo estão cada vez mais comprometidas em lidar com as mudanças climáticas, mas suas ações variam de empresa para empresa. Essa é a principal conclusão do "Climate check 2021" da Deloitte, estudo que contou com a participação de 750 executivos de 13 países, entre eles 50 do Brasil, para entender melhor suas perspectivas à medida em que a conversa sobre o clima evolui e o mercado muda.

O relatório revelou que mais de 80% dos CXOs estão preocupados com as mudanças climáticas e reconhecem a necessidade de que precisam ir além dos compromissos já estabelecidos para ações mais práticas. Embora a pandemia da Covid-19 tenha paralisado os esforços pela sustentabilidade para dois terços das empresas, o tema continua sendo prioridade para os líderes que planejam expandir essas iniciativas nos próximos anos pós-pandemia. 

Climate check 2021

Sustentabilidade como imperativo

A pesquisa constatou que a sustentabilidade não é mais um pedido, mas uma expectativa para os stakeholders. É também um imperativo empresarial que tem se mostrado benéfico na retenção de talentos e na melhoria do desempenho financeiro.

No Brasil, a pandemia paralisou diversas ações, investimentos e transformações do mercado como um todo. Entre elas, as que dizem respeito às mudanças climáticas e à sustentabilidade, mas os temas precisam ser tratados com urgência pelas organizações. O estudo indica que aproximadamente 30% dos executivos entrevistados no mundo afirmam que suas organizações estão começando a sentir os impactos operacionais dos desastres relacionados ao clima e mais de um quarto delas está enfrentando a escassez de recursos devido às mudanças climáticas. Outros problemas relacionados à mudança climática e à sustentabilidade ambiental que impactam ou ameaçam impactar as organizações, segundo os executivos, são: as incertezas políticas e regulatórias (26%), o aumento nos custos com seguros ou falta de disponibilidade de seguros (24%) e danos à reputação (17%).

As organizações estão se concentrando em políticas públicas, uso sustentável de materiais e trabalhando com fornecedores para atender aos padrões climáticos. No entanto, quase dois terços das organizações precisarão pausar ou reduzir esses esforços no próximo ano devido à pandemia. Aproximadamente metade dos entrevistados indicou ter notado iniciativas de sustentabilidade ambiental melhorar a satisfação do cliente e as métricas financeiras. Quase metade dos executivos também percebe um impacto mensurável no meio ambiente, como a redução das emissões de carbono. Organizações líderes estão ampliando suas ações, incluindo o incentivo ao teletrabalho (38%) e a compra direta de energia renovável (36%).

Por outro lado, o relatório aponta que as organizações poderiam estar fazendo mais para definir metas mensuráveis de redução de carbono e introduzir mais responsabilidade executiva ― apenas 40% das organizações se comprometeram com metas de redução de carbono com base na ciência. Menos da metade das organizações criaram um cargo sênior para lidar com questões de sustentabilidade e menos de 20% estão vinculando a remuneração dos líderes seniores a metas de sustentabilidade ambiental.

ESG: nossa visão para o futuro sustentável das empresas e da sociedade

Os princípios “ESG” vão acelerar a busca da governança corporativa, da prosperidade econômica e do respeito com as pessoas e o planeta. A Deloitte, maior organização de serviços profissionais do mundo, lidera discussões e esforços das organizações em todo o mundo para adotar os padrões expressos na sigla mais comentada dos últimos tempos: “ESG” (“Environmental, Social and Governance”). Conheça nossa visão sobre o tema.

Você achou útil?