Comunicados de Imprensa

CEOs das maiores empresas em Portugal confiantes na retoma económica, mas cautelosos com as políticas públicas

CEO Views 2017

Líderes empresariais acreditam que a economia nacional irá recuperar, mas dividem-se quanto ao impacto das políticas públicas no desenvolvimento dos negócios.

Com interesse

LISBOA, 29 de dezembro de 2017 — Os CEOs das 250 maiores empresas em Portugal acreditam que, nos próximos três anos, a economia portuguesa será marcada pela retoma, contudo, mostram reservas quanto à capacidade de serem tomadas decisões políticas apropriadas em relação ao progresso económico. Essa poderá ser a razão pela qual identificam as políticas públicas como o maior risco para o seu negócio, ainda assim o contexto atual é favorável e os líderes pretendem adotar estratégias mais expansionistas, suportadas pela aposta em novos produtos e serviços e nos canais digitais. As conclusões são do CEO Views, um estudo da Deloitte.

Realizado por ocasião da 30ª edição do Investor Relations & Governance Awards, o CEO Views reúne a opinião dos CEOs das 250 maiores empresas a operar em Portugal acerca das perspetivas económicas futuras. De acordo com o estudo, grande parte dos líderes inquiridos (46%) acredita que a economia irá recuperar nos próximos três anos. As opiniões dividem-se quanto ao impacto das políticas públicas na criação das condições necessárias para o desenvolvimento dos negócios, com 30% a revelar que têm um impacto positivo e 35% um impacto reduzido ou nulo.

Esta divergência é também evidenciada quando avaliam a capacidade dos decisores políticos em tomarem decisões apropriadas em relação ao progresso económico, nos próximos três anos, demonstrando-se divididos entre a confiança moderada e falta de confiança. Um sentimento que contrasta com seus pares da União Europeia (UE), que se revelam mais confiantes.

Segundo Jorge Marrão, Partner e líder de Clients & Markets da Deloitte, estes resultados podem derivar do facto de “o Estado ter um papel interventivo nas questões económicas, o que naturalmente se reflete nas organizações. Isso observa-se ao nível das políticas públicas particularmente relacionadas com as questões regulatórias e a política fiscal. Não podemos também ignorar a importância crescente que a inovação e o desenvolvimento tecnológico têm nas decisões estratégicas das empresas e para o próprio desenvolvimento da economia”.

Sobre a importância do projeto europeu no contexto global, os inquiridos defendem a adoção de uma estratégia de longo prazo (65%), um orçamento europeu que reduza as diferenças competitivas entre países da UE (43%) e uma harmonização fiscal competitiva (38%). A instabilidade geopolítica, a inovação e os desenvolvimentos tecnológicos, o protecionismo são, no entender dos CEOs, as tendências globais com maior impacto nos próximos anos. Em sentido oposto, surgem as smart cities, a escassez de recursos e as economias emergentes.

Riscos, ameaças e estratégias para crescer
Segundo CEO Views, as ameaças com maior impacto no crescimento das empresas estão relacionadas com a regulação (62%), o desenvolvimento tecnológico (54%) e a instabilidade fiscal (46%). Ameaças às quais se juntam alguns riscos. Embora as opiniões se dividam sobre o impacto das políticas públicas no crescimento económico, existe quase total concordância (94%) sobre o potencial efeito negativo que essas políticas poderão ter sobre os negócios. O stress no sistema financeiro (62%), a fraca procura interna (62%) e os obstáculos ao recrutamento dos melhores talentos (62%) são outros riscos apontados.

Face à conjuntura atual, os líderes revelam a intenção de adotar estratégias mais expansivas, suportadas pela criação de novos produtos e serviços (83%) e pela aposta nos canais digitais (80%), mas também defensivas, assentes na eficiência dos processos (77%) e no controlo de custos (74%). A internacionalização surge em sexto lugar, com Portugal (61%), Espanha (30%), EUA (21%) e Angola (15%) como mercados prioritários.

Em termos financeiros, as principais preocupações dos CEOs são a gestão das expetativas dos investidores (33%) e a otimização da estrutura financeira (30%). Aumentar o capital e, portanto, o investimento não surge como prioridade. O financiamento com meios próprios (67%) e o financiamento bancário (58%) são os meios de funding mais atrativos, enquanto o mercado de capitais é visto como o menos atrativo.

A tecnologia e as pessoas são componentes críticas para os inquiridos. A capacidade de melhorar a experiência do cliente (88%), o incremento da automação e de eficiência de processos (73%) e a geração de novos fluxos de receita através de novos produtos e serviços (64%) são vantagens proporcionadas pela tecnologia que os líderes não pretendem prescindir. Por outro lado, o desenvolvimento de uma cultura e comportamentos atrativos (72%) e de um sentido de propósito (69%) para os talentos nas empresas que gerem, é também essencial e prioritário para o negócio.

Aceda aqui ao estudo completo.

Sobre o CEO Views
O CEO Views é um estudo da Deloitte, realizado no âmbito da 30ª edição do Investor Relations & Governance Awards, que reúne a opinião dos CEOs das 250 maiores empresas em Portugal. Os dados foram recolhidos entre 21 de agosto e 8 de setembro de 2017 e resultam da análise das 37 respostas recebidas, correspondendo a uma amostra de cerca de 15% do universo.

Para mais informações contacte:

Comunications & Media Relations

Maria Filipa Matos

mamatos@deloitte.pt

Tel: 210 423 038

Miguel Jerónimo 

mijeronimo@deloitte.pt

Tel: 210 423 064

Sobre a Deloitte

"Deloitte" refere-se a Deloitte Touche Tohmatsu Limited, uma sociedade privada de responsabilidade limitada do Reino Unido (DTTL), ou a uma ou mais entidades da sua rede de firmas membro e respetivas entidades relacionadas. A DTTL e cada uma das firmas membro da sua rede são entidades legais separadas e independentes. A DTTL (também referida como "Deloitte Global") não presta serviços a clientes. Aceda a www.deloitte.com/pt/about para saber mais sobre a nossa rede global de firmas membro.

A Deloitte presta serviços de auditoria, consultoria,  financial advisoryrisk advisory, consultoria fiscal e serviços relacionados a clientes nos mais diversos setores de atividade. Quatro em cada cinco empresas da Fortune Global 500® recorrem aos serviços da Deloitte, através da sua rede global de firmas membro presente em mais de 150 países, combinando competências de elevado nível, conhecimento e serviços de elevada qualidade para responder aos mais complexos desafios de negócio dos seus clientes. Para saber como os aproximadamente 245.000 profissionais criam um impacto positivo, siga a nossa página no FacebookLinkedIn ou Twitter.

A informação contida neste comunicado de imprensa está correta no momento do envio à comunicação social.

Achou esta informação útil?