Comunicados de Imprensa

Portugueses mais otimistas, mas moderados no consumo

Estudo de Natal 2017

Portugal é o único país europeu analisado que sente que o seu poder de compra evoluiu favoravelmente face ao ano passado Após dois anos de recuperação, o orçamento estimado para esta época festiva baixa ligeiramente para os 338 euros

Com interesse

 

LISBOA, 14 de novembro de 2017 — Este ano, os portugueses estão mais otimistas em relação ao estado atual e futuro da economia nacional, contudo revelam-se moderados nas suas opções de consumo. De acordo com o Estudo de Natal 2017 da Deloitte, as famílias portuguesas preveem um gasto total de 338 euros por lar, repartido entre presentes (53%), alimentação e bebidas (34%) e eventos sociais (13%). Este valor representa um pequeno decréscimo face ao mesmo indicador apurado em 2016 (359 euros) e fica significativamente abaixo dos 550 euros no Reino Unido ou dos 526 em Espanha.

"O principal destaque nesta edição é a evolução muito favorável das expectativas dos consumidores portugueses em relação à sua situação económica e poder de compra. Pela primeira vez, desde que o estudo é realizado, Portugal é mais otimista de todos os países analisados e aquele onde se observou a maior evolução face ao ano passado”, destaca Pedro Miguel Silva, Associate Partner de Retail & Consumer Products da Deloitte.

Segundo o estudo, entre 2009 e 2014 assistiu-se a uma queda superior a 50% no consumo estimado pelos portugueses para a época natalícia, de 620 euros para 270 euros por agregado familiar. Esta tendência inverteu-se a partir de 2014, observando-se nos dois anos seguintes uma tendência crescente.

A distribuição do consumo previsto para este ano mantém-se idêntica à do consumo declarado no ano anterior: dos 338 euros estimados para esta quadra, as famílias portuguesas preveem gastar 179 euros em presentes, 115 euros em alimentação e bebidas e 44 euros em eventos sociais.

As promoções (50%), a situação económica mais segura (38%) e o aumento do rendimento disponível (32%) são referidos como os principais motivos para aumentar a despesa durante as festividades de Natal e Ano Novo. O facto de a situação económica estar mais segura ganha relevância face a 2016, passando de 18% para 38%. Pelo contrário, a necessidade de diversão e evitar pensar na incerteza económica perde relevância face ao ano passado, embora continue a ser o motivo mais referido pelos europeus.

Portugal é o país mais otimista quanto ao estado atual e futuro da economia

No geral, os europeus sentem-se mais confiantes em relação ao estado atual da economia, embora a média europeia se mantenha ainda negativa. Portugal registou uma evolução muito favorável, sendo neste momento o mais otimista de todos os países incluídos no estudo. Em 2017, 39% dos inquiridos a nível nacional avaliam a situação atual como positiva (15% em 2016), face aos 20% que percebem a situação atual como negativa (49% em 2016).

Relativamente ao estado futuro da economia, a maioria dos países europeus, incluindo Portugal, tem uma expetativa de evolução igualmente positiva, com apenas a Grécia a apresentar um saldo desfavorável nas respostas dadas. Neste indicador, Portugal continua a ser o país mais otimista de todos os países analisados, com um saldo positivo de 32%, um valor que é consideravelmente superior ao do ano passado (4%).

Dois terços dos portugueses inquiridos consideram que o Orçamento do Estado (OE) para 2018 terá um impacto positivo ou neutro no seu comportamento de compra. O segmento entre os 35 e 54 anos é o que espera maior influência do OE no seu comportamento.

Aumento do poder de compra aumenta expetativa de gastos das famílias

A perceção geral dos países inquiridos face à evolução do seu poder de compra tem-se mantido relativamente estável desde 2009, com um saldo entre respostas que tem variado entre os 20 e 30 pontos negativos. Este ano, a média europeia foi de -20%, o valor mais alto registado desde 2011.

Portugal é o único país que sente que o seu poder de compra evoluiu favoravelmente face ao ano passado. O saldo entre respostas positivas e negativas é, este ano, de +2%, o que representa uma subida de 25 pontos percentuais face a 2016, ano em que se reportou um saldo negativo de -23%.

Aceda ao estudo aqui.

 

Nota técnica

O Estudo de Natal 2017 abrangeu 10 países e foi desenvolvido com base numa amostra representativa de consumidores europeus, num total de 8.154 inquiridos, dos quais 762 portugueses, durante o mês de outubro de 2017.

Para mais informações contacte:

Comunications & Media Relations

Maria Filipa Matos

mamatos@deloitte.pt

Tel: 210 423 038

Miguel Jerónimo 

mijeronimo@deloitte.pt

Tel: 210 423 064

Sobre a Deloitte

"Deloitte" refere-se a Deloitte Touche Tohmatsu Limited, uma sociedade privada de responsabilidade limitada do Reino Unido (DTTL), ou a uma ou mais entidades da sua rede de firmas membro e respetivas entidades relacionadas. A DTTL e cada uma das firmas membro da sua rede são entidades legais separadas e independentes. A DTTL (também referida como "Deloitte Global") não presta serviços a clientes. Aceda a www.deloitte.com/pt/about para saber mais sobre a nossa rede global de firmas membro.

A Deloitte presta serviços de auditoria, consultoria,  financial advisoryrisk advisory, consultoria fiscal e serviços relacionados a clientes nos mais diversos setores de atividade. Quatro em cada cinco empresas da Fortune Global 500® recorrem aos serviços da Deloitte, através da sua rede global de firmas membro presente em mais de 150 países, combinando competências de elevado nível, conhecimento e serviços de elevada qualidade para responder aos mais complexos desafios de negócio dos seus clientes. Para saber como os aproximadamente 245.000 profissionais criam um impacto positivo, siga a nossa página no FacebookLinkedIn ou Twitter.

A informação contida neste comunicado de imprensa está correta no momento do envio à comunicação social.

Achou esta informação útil?