Comunicados de Imprensa

Famílias com orçamento de 315 euros para a quadra natalícia

Estudo de Natal 2015

Os portugueses, à semelhança de 2014, num contexto de perceção de perda de poder de compra, mas de significativa melhoria de expetativas para a economia em 2016, demonstram elevada prudência na alocação do seu orçamento para a quadra natalícia. A conclusão é do Estudo de Natal 2015 da Deloitte que revela ainda que este ano as famílias preveem um gasto total de €315 por lar – menos 5,6% face ao ano anterior -, repartido da seguinte forma: €143 em presentes, €118 em alimentação e bebidas e €54 em socialização.

“Desde 2008 que as expetativas de orçamento para a quadra natalícia têm vindo a diminuir em Portugal. No entanto, em 2014 o orçamento real de gasto inverteu a trajetória de queda, tendo-se verificado um aumento real face ao ano de 2013. Em todo o caso, existe um novo padrão de gastos na quadra natalícia, passando dos €600 do período pré-ajustamento para um novo normal, cujo valor varia entre os €300 e €400”, destaca Nuno Netto, partner de consultoria da Deloitte.

À semelhança do ano de 2014, o receio da deterioração da economia é o principal motivo para os europeus diminuírem os seus gastos no Natal, enquanto que para os portugueses a diminuição do rendimento líquido é o fator mais penalizador. O receio face ao futuro da economia é o segundo motivo para diminuir o orçamento de Natal.

Os portugueses que têm a expetativa de aumentar o seu orçamento nesta época festiva, referem as promoções (41%) como o principal incentivo para o fazerem. Na Europa, o principal motivo para aumentar os gastos no Natal é o desejo de evitar pensar na crise e tirar partido da quadra natalícia (39%).

Portugal entre os países mais otimistas quanto às perspetivas económicas

Em Portugal, a tendência de melhoria do sentimento face à situação económica do país é mais acentuada do que na Europa. Em 2015, 55% dos portugueses avaliam como negativa a situação do país, face aos 72% em 2014 ou aos 83% em 2013, mas ainda aquém dos 45% registados em 2009. Este ano, 16% dos portugueses já classificam como positiva a situação económica por comparação com os apenas 7% que assim a qualificavam em 2014.

Apenas 37% dos europeus acredita que o atual estado da economia é negativo, em comparação com os 48% e os 55% de 2014 e 2013, respetivamente. A tendência de melhoria mantém-se face aos anos de 2008-2014, regressando aos níveis de 2006-2007, quando precisamente 37% dos europeus classificava a situação económica como negativa.

Quanto às expetativas para 2016, o país tem a melhoria mais significativa de toda a Europa. Em Portugal, o saldo líquido melhora dos 25% negativos em 2014, face às expetativas para 2015, para os 3% negativos, face às expetativas para o ano de 2016. A nível europeu, as expetativas também melhoram. O saldo líquido entre expetativas positivas e negativas relativamente a 2016 é de -5%, face aos -19% registados em 2014 relativamente ao ano de 2015.

“Estes dados vêm confirmar que os consumidores ajustaram o seu padrão de consumo, mostrando realismo face à evolução do contexto económico do país. Notámos que existe a expetativa de que maiores dificuldades e desafios estarão ultrapassados e, por isso, o futuro é encarado de uma forma significativamente mais otimista”, refere Nuno Netto, da Deloitte.

Portugueses esperam maior poder de compra em 2016

Tanto os europeus como os portugueses mantêm a perceção de diminuição do seu poder de compra, muito embora se note uma inversão de tendência. De facto, Portugal apresenta a maior evolução de expetativas da Europa, seguido de Espanha e Itália. Cerca de 20% dos portugueses inquiridos espera diminuir o seu poder de compra para o ano de 2016, comparativamente com os 25% em relação ao ano passado. O saldo líquido entre respostas positivas e negativas melhora significativamente para os 5% positivos face aos -3% registados em 2014 ou aos -44% no ano de 2013.

Os impostos mantêm a liderança como principal categoria a absorver o orçamento dos europeus, com 35% dos europeus a afirmar que gastou uma maior percentagem do seu rendimento em impostos, face aos 38% de 2014. Tal como em 2014, os bens essenciais como a alimentação, energia e saúde perfazem o pódio das categorias que mais absorvem o orçamento dos europeus. Em Portugal, a carga fiscal é a categoria que mais cresce, com 37% dos portugueses a afirmar que gastou mais do seu orçamento em impostos, verificando-se no entanto uma diminuição face aos 44% registados em 2014.

A predisposição dos portugueses para reduzirem mais os seus gastos, caso seja necessário, é superior à média dos europeus nas despesas irregulares, entretenimento, vestuário e férias. No entanto, nas categorias de educação, bens essenciais, habitação e saúde, os portugueses, à semelhança do verificado no ano de 2014, resultado do forte reajustamento concretizado nos últimos anos, já demonstram uma maior resistência para cortar face aos congéneres europeus.

Para mais informações contacte:

Communications & Media Relations

Miguel Jerónimo
mijeronimo@deloitte.pt
Tel: 210 423 064
Tlm: 934 013 549

Filipa Matos
mamatos@deloitte.pt
Tel: 210 423 038

Nota técnica

As conclusões do Estudo de Natal 2015 devem ser contextualizadas no período de tempo em que o trabalho de campo foi realizado, de 28 de setembro a 5 de outubro. Deste modo, e em consequência dos recentes desenvolvimentos políticos poderá, eventualmente, ser alterado o sentido de algumas das conclusões.

Esta edição do estudo de Natal 2015 abrange 14 países e foi desenvolvido com base numa amostra representativa de consumidores europeus, num total de 14.065 inquiridos, dos quais 761 portugueses.

Sobre a Deloitte

“Deloitte” refere-se a Deloitte Touche Tohmatsu Limited, uma sociedade privada de responsabilidade limitada do Reino Unido (DTTL), ou a uma ou mais entidades da sua rede de firmas membro e respetivas entidades relacionadas. A DTTL e cada uma das firmas membro da sua rede são entidades legais separadas e independentes. A DTTL (também referida como "Deloitte Global") não presta serviços a clientes. Para aceder à descrição detalhada da estrutura legal da DTTL e suas firmas membro consulte www.deloitte.com/pt/about

A Deloitte presta serviços de auditoria, consultoria fiscal, consultoria de negócios e de gestão e corporate finance a clientes nos mais diversos setores de atividade. Com uma rede globalmente ligada de firmas membro em mais de 150 países e territórios, a Deloitte combina competências de elevado nível com oferta de serviços qualificados conferindo aos clientes o conhecimento que lhes permite abordar os desafios mais complexos dos seus negócios. Os mais de 225.000 profissionais da Deloitte empenham-se continuamente para serem o padrão de excelência.

Did you find this useful?