Artigo

The magic of Christmas

Estudo de Natal 2019

Em Portugal, a quadra festiva cruza-se, este ano, com a entrega do Orçamento do Estado para 2020. Quando questionados sobre a influência do OE nos seus hábitos de consumo neste Natal, a maioria dos inquiridos portugueses refere que esta será moderada. No entanto, cresce o número de portugueses que procura fazer as suas compras de Natal em períodos de grandes campanhas comerciais, como se verifica na Black Friday.

Duarte Galhardas, Partner Líder da Indústria de Consumo da Deloitte

Depois de um período de acentuado pessimismo durante os anos da crise, a confiança das famílias portuguesas na evolução da economia e do seu poder de compra tem assistido a uma evolução positiva desde 2012. Essa recuperação não se traduz, contudo no nível de gasto durante a quadra natalícia que, apesar de uma ligeira recuperação, se mantém estável nos últimos 5 anos em valores inferiores a metade do que se observava nos anos pré-crise.

Pedro Miguel Silva, Associate Partner da Indústria de Consumo da Deloitte

Principais conclusões do estudo

Orçamento dos portugueses para compras de Natal aumenta em relação a 2018

Os portugueses esperam gastar em média 387€ por agregado familiar em compras de Natal este ano, mais 9€ que em 2018, de acordo com o Estudo de Natal 2019 da Deloitte. Apesar deste aumento, a média nacional encontra-se ainda longe da europeia, que este ano se fixa nos 461€, o equivalente a mais 74€ que o expectável para o mercado português.

 

Chocolates, perfumes e roupa são os presentes mais desejados pelos portugueses

60% dos participantes na 22ª edição do Estudo de Natal da Deloitte refere os chocolates como a prenda ideal para esta época natalícia, uma preferência que é partilhada por homens e mulheres.

 

Primeira quinzena de dezembro é o período preferido para fazer compras de Natal

A primeira quinzena de dezembro continua a ser o período preferido para os portugueses fazerem as suas compras de Natal, no entanto há uma tendência crescente de antecipação desta atividade, com o mês de novembro a ganhar cada vez mais peso nas preferências das famílias, destacando-se o período da Black Friday, onde 68% admite vir a fazer algumas das suas compras de Natal, um valor idêntico ao da média europeia.

 

Portugueses são o povo mais otimista do estudo

De entre os oito países em análise, Portugal é o que regista um índice de confiança económica mais elevado, com 72% dos inquiridos a considerar que o país tem estabilizado ou crescido financeiramente ao longo de 2019.

 

Apenas 1/4 das compras de Natal serão feitas online

O mercado online tem vindo a crescer e prevê-se que possa representar 25% das compras de Natal feitas em Portugal em 2019. Apesar desta tendência crescente, as famílias portuguesas continuam a eleger as lojas físicas como o sítio preferencial para adquirirem as suas prendas, apontando como principais razões para esta escolha o serviço personalizado de atendimento, as políticas de devolução e uma maior confiança no método de pagamento utilizado.

Achou esta informação útil?

Tópicos relacionados