Comunicados de Imprensa

Hotéis continuam a reunir as preferências apesar da procura crescente por alojamento local

Atlas da Hotelaria 2016

  • Portugal conta com mais 135 empreendimentos turísticos e 6.203 unidades de alojamento face a 2015
  • Grupos Pestana Hotels & Resorts/Pousadas de Portugal, Vila Galé Hotéis e Accor Hotels com o maior número de empreendimento turísticos
  • Alojamento local impulsionado pelas novas plataformas de pesquisa e reserva online
  • Lisboa e Algarve concentram o maior número de empreendimentos de alojamento local, com cerca de 88.674 camas

A 11ª edição do Atlas da Hotelaria 2016 da Deloitte apresenta uma realidade da oferta hoteleira, bem como dos comportamentos que influenciam novos modelos de negócio. Apesar do incremento da procura por alojamento local, face a anos anteriores, os hotéis continuam a ser a preferência dos turistas que visitam Portugal. Segundo o estudo, o país conta hoje com mais 135 empreendimentos turísticos (total de 1.864) e 6.203 unidades de alojamento face a 2015 (total de 136.203), totais influenciados pelo crescimento do número de hotéis de 4 estrelas (68).

“A indústria do turismo e o setor da hotelaria em particular, agora num novo paradigma demonstraram uma dinâmica incomparável. Não podemos ficar indiferentes. Estamos também perante uma revolução digital, que aproximou o turista do destino e de todas as suas valências, tornando a competitividade e a diferenciação fundamentais. Estamos perante uma nova realidade, novos costumes, que influenciam e estimulam novos modelos de negócio”, afirma Jorge Marrão, partner da Deloitte e líder da indústria de Tourism, Hospitality & Leisure.

Os grupos Pestana Hotels & Resorts/Pousadas de Portugal, Vila Galé Hotéis e Accor Hotels formam o top 3 do ranking nacional dos 20 grupos hoteleiros/entidades de management com o maior número de unidades de alojamento. O Grupo Pestana lidera de forma destacada com 7.076 unidades de alojamentos (14.570 camas), que os seus 65 empreendimentos oferecem. Em sentido ascendente, este ano, estão os grupos HF Hotéis Fénix (que sobem do 14º para o 11º), Porto Bay (do 17º para o 12º) e Turim Hotéis (19º para o 17º). 

A Região do Algarve continua a concentrar o maior número de empreendimentos turísticos do país (23%) e também de unidades de alojamento (32%), onde a taxa de ocupação média em 2015 foi de 61,8% e o preço médio por quarto[1] 56,7 euros. Seguida pela Região Norte, que reúne 22% dos empreendimentos turísticos, pela Região Centro (21%) e por Lisboa (15%). A Região Autónoma da Madeira e Lisboa são as regiões do país com maior taxa de ocupação, 72,7% e 71,2% respetivamente.

Relativamente ao RevPAR[2], todas as regiões do país viram a crescer as suas receitas por quarto disponível. Lisboa destacou-se com uma receita por quarto disponível de 53,6 euros, mais 5,70 euros do que no ano anterior.

Tipologia e categorias dos empreendimentos turísticos mantêm distribuição

De acordo com o Atlas da Hotelaria 2016 da Deloitte, os hotéis são a tipologia de empreendimentos turísticos que predomina em Portugal, com 73%. Seguem-se os apartamentos turísticos (10%), os hotéis apartamentos (8%), os hotéis rurais (4%), os aldeamentos turísticos (3%) e as pousadas (2%). Um panorama que se mantém praticamente inalterado face à edição de 2015.

Os empreendimentos turísticos de três e quatro estrelas são os que predominam a nível nacional, representando cada uma destas categorias 34% e 37% do mercado, ou seja, 643 e 695 unidades hoteleiras respetivamente. Os empreendimentos de duas estrelas ocupam a terceira posição, com 16%, e os de cinco estrelas a quarta posição, com 8%. Atualmente existem em Portugal 142 unidades hoteleiras nesta categoria.

Plataformas de reservas online impulsionam alojamento local

O alojamento local tem verificado um crescimento assinalável, motivado sobretudo pelas plataformas de pesquisa e arrendamento online. O número de unidades de alojamento local ultrapassa atualmente as 22.000, que constituem uma oferta de mais 88.000 camas. As regiões de Lisboa e Algarve concentram cerca de 75% das unidades, e a Região do Norte surge na 3ª posição com 11%.

Consulte o estudo Atlas da Hotelaria em www.atlasdahotelaria.com.

 

[1] Preço médio por quarto = proveitos de aposento / (# quartos x Taxa Ocupação x 365)


[2] RevPAR (receita por quarto disponível) = proveitos de aposento / (# quartos x 365)

Para mais informações contacte:

Departamento de Comunicação da Deloitte

Miguel Jerónimo 

mijeronimo@deloitte.pt

Tel: 210 423 064

Filipa Matos

mamatos@deloitte.pt

Tel: 210 423 038

 

Sobre a Deloitte

“Deloitte” refere-se a Deloitte Touche Tohmatsu Limited, uma sociedade privada de responsabilidade limitada do Reino Unido (DTTL), ou a uma ou mais entidades da sua rede de firmas membro e respetivas entidades relacionadas. A DTTL e cada uma das firmas membro da sua rede são entidades legais separadas e independentes. A DTTL (também referida como "Deloitte Global") não presta serviços a clientes. Para aceder à descrição detalhada da estrutura legal da DTTL e suas firmas membro consulte www.deloitte.com/pt/about

A Deloitte presta serviços de auditoria, consultoria fiscal, consultoria de negócios e de gestão, financial advisory,  gestão de risco e serviços relacionados a clientes nos mais diversos sectores de atividade. Com uma rede globalmente ligada de firmas membro em mais de 150 países e territórios, a Deloitte combina competências de elevado nível com oferta de serviços qualificados conferindo aos clientes o conhecimento que lhes permite abordar os desafios mais complexos dos seus negócios. Os mais de 225.000 profissionais da Deloitte assumem o compromisso de criar um impacte relevante na sociedade.

A informação contida neste comunicado de imprensa está correta no momento do envio à comunicação social.

Infografia - Atlas da Hotelaria 2016

O Perfil do Turista - Atlas da Hotelaria 2016

Did you find this useful?