Notícias

Annual Review of Football Finances 2014

As receitas acumuladas das cinco maiores ligas europeias aumentaram 5% na época de 2012/13, fixando-se nos 9,8 mil milhões de euros

  •  As principais ligas do futebol Europeu continuam a registar um desempenho elevado;
  •  O aumento de facturação verificado advém maioritariamente de um grupo limitado de clubes, estando essencialmente suportado nas receitas comerciais e de transmissão televisiva;
  • Clubes de dimensão reduzida apresentam maiores dificuldades de crescimento.

As cinco maiores ligas europeias (Bundesliga, La Liga, Ligue 1, Premier League e Serie A) registaram um aumento de facturação de 5% atingindo os 9,8 mil milhões de euros na época de 2012/13, contribuindo para o aumento de 2% das receitas totais do mercado Europeu de futebol, que se fixou nos 19,9 mil milhões de euros no final da época.

Segundo Dan Jones, sócio do Sports Business Group na Deloitte: “Pelo segundo ano consecutivo, cada uma das cinco maiores ligas registou níveis de facturação recorde em 2012/13, tendo o conjunto das receitas quase quadruplicado desde 1996/97. Estima-se que os novos negócios de transmissão televisiva nas duas maiores ligas resultarão num volume de receitas superior a 11 mil milhões de euros em 2013/14. Contudo, estes valores não reflectem a natureza das receitas das ligas, que se afiguram cada vez mais polarizadas.”

A Premier League mantem-se na posição de líder mundial em termos de facturação, com um crescimento de receitas na ordem dos 165 milhões de libras (7%) para valores superiores a 2,5 mil milhões de libras esterlinas (2,9 mil milhões de euros) em 2012/13. O crescimento mencionado advém essencialmente dos dois clubes de     Manchester e do Liverpool, cuja contribuição supera os 60%. Em euros, a desvalorização da libra esterlina resultou na diminuição do diferencial existente ente a Premier League e o seu adversário directo, a Bundesliga, para os 928 milhões de euros.

Jones acrescentou ainda que “O crescimento das receitas da Premier League em 2012/13 procedeu maioritariamente de fontes comerciais. O conjunto das receitas comerciais da Premier League foi superior à da Bundesliga em 55 milhões de euros, reduzindo o diferencial para um quarto do registada há três anos atrás. Pela primeira vez, prevê-se que esta competição inglesa seja identificada como líder Europeia nas três principais fontes de receitas na nossa próxima edição. É expectável que as receitas da Premier League atinjam, aproximadamente, 4 mil milhões de euros em 2013/14, superando as previsões para as La Liga e Serie A, em conjunto.”

O crescimento verificado na época 2012/13 permitiu que a Bundesliga consolidasse a sua posição como segunda maior liga geradora de receitas na Europa, ultrapassando, pela primeira vez, os 2 mil milhões de euros. O conjunto das receitas registou um crescimento de 146 milhões de euros (8%), ascendendo a 2.018 milhões de euros em 2012/13. Esta evolução foi impulsionada pela performance desportiva do Bayern de Munique e do Borussia de Dortmund, que contribuíram para mais de 80% deste aumento.

Em 2012/13, apesar das receitas acumuladas da La Liga espanhola terem alcançado os 1.859 milhões de euros, o gap existente entre esta e a Bundesliga aumentou para os 159 milhões de euros. Contrariamente à tendência verificada nos dois últimos anos, o crescimento de 77 milhões de euros não foi suportado pelos ‘dois grandes’, Real Madrid e Barcelona, que conjuntamente registaram um aumento de 6 milhões de euros. Este crescimento advém, fundamentalmente, de receitas relacionadas com novos e renegociados contratos de direitos de transmissão televisiva de um conjunto de clubes, bem como da melhoria do desempenho dos clubes espanhóis na Liga dos Campeões.

Em virtude do seu regresso à Liga dos Campeões em 2012/13, a Juventus contribuiu para mais de três quartos do crescimento de 97 milhões de euros (6%) das receitas da Serie A, que ascenderam a 1.682 milhões de euros. Os clubes italianos continuam a ter nos direitos de transmissão a sua maior fonte de receitas, representando 59% dos resultados agregados da liga em 2012/13, a maior proporção entre as cinco maiores ligas.

A Ligue 1 francesa registou a maior taxa de crescimento em termos de valor (euros), com um aumento de 14% (161 milhões) para os 1.297 milhões de euros, totalmente motivado pelo Paris Saint-Germain. Apesar do crescimento de 178 milhões de euros no total das receitas, os restantes 19 clubes da Ligue 1 registaram, no seu conjunto, uma quebra de 17 milhões de euros.

As cinco maiores ligas evidenciaram alguma contenção no que respeita aos gastos com salários em 2012/13, dado que o aumento dos custos salarias representou apenas 25% do crescimento acumulado das receitas. Em 2012/13, quatro das cinco ligas mantiveram ou melhoraram o rácio salários/receitas (face a 2011/12) (Serie A 71% (74%); La Liga 56% (59%); Bundesliga 51% (51%); Ligue 1 66% (74%)), à excepção da Premier League, cujos custos salariais registaram um crescimento de 8% para 1.783 milhões de libras esterlinas (2,1 biliões de euros). Os factores enunciados resultaram na Premier League num rácio de salários/receitas de 71%, o mais elevado de sempre.

A Bundesliga e a Premier League foram as únicas das cinco maiores ligas que geraram lucros operacionais em 2012/13, com a primeira a registar um novo recorde para uma liga de futebol (264 milhões de euros), reflectindo um aumento de lucros operacionais em 74 milhões (39%). A rentabilidade operacional dos clubes da Premier League reduziu 2 milhões de libras, cifrando-se nos 82 milhões de libras esterlinas (96 milhões de euros). As ligas Francesa e Italiana registaram recuperações significativas nos prejuízos operacionais históricos; a redução de 64 milhões de euros na Ligue 1 permitiu que esta se aproximasse do ponto de equilíbrio (break-even point) (3 milhões de euros de prejuízos), enquanto a melhoria de 107 milhões de euros na Serie A (53 milhões de euros de lucro) encerrou um ciclo de sete épocas de deterioração da rentabilidade.

De acordo com Adam Bull, senior consultant do Sports Business Group da Deloitte: “O advento das regras de fair-play financeiro da UEFA, bem como as medidas de intervenção adoptadas por algumas ligas nacionais europeias, conduziram a uma alteração dos padrões de comportamento em alguns clubes e a consequente melhoria dos resultados operacionais em várias das cinco maiores ligas é um sinal encorajador da saúde financeira desta modalidade desportiva.”

Outras conclusões do Deloitte Annual Review of Football Finance 2014:

  • As receitas de transmissões televisivas, no montante de 4.535 milhões de euros, representaram a maior componente (46%) das receitas acumuladas das cinco maiores ligas, sendo expectável um aumento no próximo ano, em virtude dos novos acordos de transmissão celebrados pela Premier League e pela Bundesliga;
    •Em 2012/13, a La Liga de Espanha registou o maior rácio de distribuição de receitas de transmissão televisiva entre o clube com maior e com menor nível de receitas (7:1), sendo a única liga a operar em regime individual de venda de direitos de transmissão. Os rácios equivalentes nas outras ligas foram os seguintes: Serie A 4,4:1, Ligue 1 3,7:1, Bundesliga 2,5:1, Premier League 1,5:1;
  • As receitas comerciais, na ordem dos 3.393 milhões de euros, representaram 35% do total das receitas das cinco maiores ligas, impulsionando, pelo segundo ano consecutivo, o forte crescimento acumulado (64% da melhoria verificada);
  • As receitas de 1.874 milhões de euros (19%) verificadas em dias de jogo mantiveram-se genericamente estáveis, tendo em conta a pressão continuada no rendimento disponível de muitos adeptos europeus;
  • A época de 2012/13 registou uma diminuição de 5% na assistência média nos jogos da Bundesliga (para 41.914 espectadores), com registos de quebras no número médio de espectadores em todos os clubes, à excepção de três. A La Liga também verificou uma redução no número de espectadores (para 25.464). Pelo contrário, a assistência média nos jogos da Premier League aumentou 4% para 35.903 espectadores em 2012/13. Estes valores traduzem uma taxa de ocupação superior a 95%, tendo aumentado novamente em 2013/14 para 39.695 espectadores (taxa de ocupação de aproximadamente 96%). A assistência média aumentou igualmente na Serie A (22.591) e na Ligue 1 (19.240), invertendo assim a tendência registada em ambas as ligas nos últimos anos;
  • Excluindo as cinco maiores ligas, a Rússia (896 milhões), Turquia (551 milhões) e Holanda (452 milhões) representam, novamente, as ligas com maiores níveis de receitas geradas;
  • Em termos de competições de segundo escalão, o Championship (segundo escalão de competição inglês) apresenta-se como o maior gerador de receitas a nível mundial, apesar da quebra de 508 milhões de euros na facturação em 2012/13;
  • No que respeita a campeonatos não-Europeus, o Campeonato Brasileiro Série A é o líder em termos de receitas, com volumes de facturação superiores a 850 milhões de euros em 2013.
     

Contactos para este estudo (Deloitte Uk Sports Group):

Celine Gordine-Wright: cgordinewright@deloitte.co.uk

 Ben Jun-Tai: bjuntai@deloitte.co.uk

Did you find this useful?