Artigo

Leasing, Factoring e Renting 

Impulsionadores da tesouraria do tecido empresarial português, economia verde e novas formas de mobilidade

Os produtos de Leasing, Factoring e Renting têm vindo a posicionar-se enquanto drivers inequívocos de crescimento económico em Portugal e na Europa. A resiliência demonstrada ao longo dos últimos anos reforça a sua importância futura e faz antecipar uma resposta positiva ao contexto desafiante de pandemia por Covid-19.

Os três produtos têm vindo a apresentar um desempenho assinalável ao longo dos últimos anos, aponta o estudo “Financiamento Especializado e a Economia Portuguesa”, desenvolvido pela Deloitte em parceria com a Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF). O Leasing Automóvel registou um crescimento anual de 26% desde 2013 até 2019, maioritariamente impulsionado pelo segmento de empresas; o Renting observou um crescimento médio anual de 12% a partir de 2013 até 2019; e o Factoring apresentou em 2019 o maior nível de produção da década, sendo de destacar o contributo da vertente internacional, sobretudo Factoring de Exportação, que entre 2010 e 2019 aumentou aproximadamente três vezes.

A análise levada a cabo pela Deloitte ressalva ainda a importância dos produtos de financiamento especializado na economia em 2019. No ano transato, a produção de Leasing representou 20,3% do número total de novas matrículas vendidas em Portugal e 8% do investimento em Portugal, com os veículos adquiridos em Renting a representarem 14% das novas matrículas e os créditos tomados em Factoring a apresentarem um peso de aproximadamente 16% do PIB nacional.

O estudo aborda a evolução histórica dos produtos de Leasing, Renting e Factoring, o que representam para a economia e quais as tendências futuras, e contempla ainda a perspetiva dos Associados da ALF, que representam quase 100% dos setores em análise. Tendo em conta as características intrínsecas destes produtos, é destacada a sua importância para o tecido empresarial e para a economia portuguesa, sendo essencial que tanto o enquadramento legal como as instituições associadas da ALF potenciem essas especificidades. Segundo os Associados, existem duas tendências a sublinhar: uma elevada propensão para o desenvolvimento da componente digital; e uma evolução da oferta no sentido de reforçar a capacidade das Instituições em responder de forma efetiva e personalizada às necessidades e exigências dos Clientes.

Leia o relatório completo aqui.

Achou esta informação útil?