Comunicados de Imprensa

Geração Millennial valoriza mais o propósito do negócio do que o lucro

  • Geração Millennial (nascidos após 1982) sugere que empresas e escolas trabalhem juntas para preparar os talentos para o mercado de trabalho.
  • Aspirações de liderança desta geração divergem entre homens e mulheres, e entre mercados emergentes e desenvolvidos.
  • Indústria de TMT é a mais desejada pelos millennials para desenvolver as suas competências.

As empresas de hoje devem focar-se nas pessoas e no propósito do seu negócio e não apenas nos produtos e no lucro, segundo a quarta edição do estudo Millennial Survey publicado anualmente pela Deloitte. Estas e outras evidências sugerem que as empresas, especialmente as dos mercados desenvolvidos, terão que realizar profundas mudanças para atrair e reter os talentos do futuro.

A Deloitte Global questionou futuros líderes de 29 países sobre a liderança e a forma como as empresas operam e impactam a sociedade. A geração Millennials, que inclui todas as pessoas nascidas após 1982, acredita profundamente (75%) que as empresas estão mais focadas na sua própria agenda do que em ajudar a melhorar a sociedade.

“A mensagem é clara: quando pensam nos seus objetivos de carreira, os millennials mostram-se hoje tão interessados em saber como as empresas desenvolvem as suas pessoas e contribuem para a sociedade, como nos seus produtos e lucros,” afirma Barry Salzberg, CEO da Deloitte Global. “Estes resultados devem ser vistos como um sinal para a comunidade empresarial, particularmente dos mercados desenvolvidos, de que é necessário alterar a forma como se relaciona com os talentos da geração Millennial ou corre o risco de ficar para trás.”

Apenas 28% dos millennials sentem que a sua atual organização está a tirar todo o partido das suas capacidades. Mais de metade (53%) aspira tonar-se líder ou um executivo sénior dentro da sua organização, existindo contudo uma clara diferença de ambição entre os millennials dos mercados emergentes e dos mercados desenvolvidos. Com efeito, 65% dos millennials localizados nos mercados emergentes afirmam que gostariam de alcançar este objetivo, comparando com os apenas 38% dos mercados desenvolvidos. Este resultado foi também mais expressivo entre os homens.

O estudo permite ainda concluir que as grandes multinacionais são menos atrativas para os millennials dos mercados desenvolvidos (35%) do que para os dos mercados emergentes (51%). A geração Millennial dos mercados desenvolvidos está também menos disposta (11%), do que a dos mercados emergentes (22%), a começar o seu próprio negócio.

Outras conclusões relevantes do estudo:

  • A geração Millennial pretende trabalhar para organizações com um propósito. Para seis em 10 millennials, o sentido de missão faz parte da razão que os levou a escolher a empresa na qual trabalham atualmente. Entre os millennials que são utilizadores assíduos das ferramentas de social networking (os millennials “super conectados”), parece haver um foco ainda maior no propósito das empresas. Cerca de 77% dos jovens deste grupo revela que o propósito da empresa em que trabalham foi uma das razões para a terem escolhido como local de trabalho, uma percentagem que contrasta com os apenas 46% dos que são “menos conectados”.
  • Empresas de tecnologia, media e telecomunicações (TMT) são os empregadores mais atrativos. O sector de TMT é o mais desejável e aquele que oferece as competências mais valiosas, de acordo com os millennials. Cerca de 24% dos homens, quase o dobro da percentagem das mulheres (13%), elegeu o sector de TMT como o melhor para trabalhar. Entre todos os sectores, a liderança aparece como sendo mais forte no de TMT (33%). Esta percentagem é três vezes maior do que a do sector que ocupa a segunda posição, o alimentar e das bebidas (10%), e quatro vezes maior do que a do que figura em terceiro lugar, dos serviços bancários e financeiros (8%). Adicionalmente, quando questionados sobre as empresas que identificavam como líderes, a Google e a Apple lideravam o ranking, cada uma delas referida por 11% dos respondentes.
  • Falta de confiança? Homens da geração Millennial mais predispostos a conquistar a liderança. Os homens têm maior predisposição para afirmar que gostariam de alcançar um lugar de topo dentro da sua organização, do que as mulheres (59% contra 47%). As mulheres mostraram também uma menor predisposição para avaliar as suas capacidades de liderança durante a licenciatura como fortes; 27% dos homens e 21% das mulheres avaliaram estas capacidades com fortes. No entanto, quando questionados sobre o que destacariam enquanto líderes, as mulheres têm mais tendência em afirmar o crescimento e o desenvolvimento dos profissionais empregados (34%, comparado com os 30% nos homens), uma área que muitos millennials sentem que está a falhar dentro das suas organizações.
  • Organizações e escolas têm de fazer mais para apoiar os líderes emergentes. Apesar de, no geral, os millennials não sentirem que as suas organizações tiram total partido das suas capacidades (apenas 28% afirma que as suas empresas utiliza todas as suas capacidades), este resultado cai significativamente, para os 23%, se tivermos apenas em conta os millennials dos mercados desenvolvidos. Analisando em detalhe, esta percentagem cai para baixo dos 20% no Japão (9%), Turquia (15%), Coreia do Sul (17%) e Chile (19%). Quando se trata de avaliar em que medida as capacidades obtidas no ensino superior contribuíram para alcançar os objetivos das suas organizações, o número médio referido pelos millennials é de 37%.
  • A mudança das características da liderança. Os millennials dão hoje menos valor aos líderes com visibilidade (19%), bem relacionados (17%) e tecnicamente habilitados (17%). Pelo contrário, definem os verdadeiros líderes como pessoas com um grande pensamento estratégico (39%), inspiracionais (37%), afáveis (34%) e visionárias (31%).

“A geração Millennial quer mais das empresas do que aquilo que tem sido dado nos últimos 50, 20, ou mesmo 10 anos,” sublinha Barry Salzberg. “Esta geração está a enviar um sinal muito forte aos líderes mundiais de que a gestão das suas empresas e negócios deve ser feita com um propósito. A procura por esta nova, e melhor, forma de operar no século XXI começa pela redefinição de liderança.”

Para aceder ao estudo da Deloitte, visite: www.deloitte.com/millennialsurvey.

Sobre o Estudo Millennial Survey da Deloitte

As conclusões apresentadas baseiam-se num estudo realizado pela Deloitte, em conjunto com a Millward Brown, a mais de 7.800 pessoas da geração Millennial de 29 países do mundo, entre Outubro e Novembro de 2014. As questões de seleção, aplicadas na fase de recrutamento, garantiram que todos os respondentes pertenciam à geração Millennial – nascidos após 1982, com grau de licenciatura, trabalhadores a tempo inteiro e em grandes empresas (mais de 100 trabalhadores) do sector privado.

Para aceder ao comunicado de imprensa em formato pdf, clique aqui.

###

Sobre a Deloitte

“Deloitte” refere-se a Deloitte Touche Tohmatsu Limited, uma sociedade privada de responsabilidade limitada do Reino Unido (DTTL), ou a uma ou mais entidades da sua rede de firmas membro e respetivas entidades relacionadas. A DTTL e cada uma das firmas membro da sua rede são entidades legais separadas e independentes. A DTTL (também referida como "Deloitte Global") não presta serviços a clientes. Para aceder à descrição detalhada da estrutura legal da DTTL e suas firmas membro consulte www.deloitte.com/pt/about

A Deloitte presta serviços de auditoria, consultoria fiscal, consultoria de negócios e de gestão e corporate finance a clientes nos mais diversos sectores de atividade. Com uma rede globalmente ligada de firmas membro em mais de 150 países e territórios, a Deloitte combina competências de elevado nível com oferta de serviços qualificados conferindo aos clientes o conhecimento que lhes permite abordar os desafios mais complexos dos seus negócios. Os mais de 200.000 profissionais da Deloitte empenham-se continuamente para serem o padrão de excelência.

A informação contida neste comunicado de imprensa está correta no momento do envio à comunicação social.

Para mais informações contacte:

Departamento de Comunicação da Deloitte

Miguel Jerónimo 

mijeronimo@deloitte.pt

Tel: 210 423 064

Filipa Matos

mamatos@deloitte.pt

Tel: 210 423 038

Did you find this useful?