Artigo

Prosperar na era da Inteligência Artificial generalizada

3ª Edição da Deloitte’s State of AI in the Enterprise

À medida que a utilização de Inteligência Artificial cresce, como estão as empresas a trabalhar para gerir os riscos e destacar-se dos concorrentes? A terceira edição deste relatório anual da Deloitte sugere como o pensamento dos líderes está a mudar à medida que se generalizam as aplicações de AI em toda a organização.

Pelo terceiro ano consecutivo, a Deloitte entrevistou executivos sobre os sentimentos e práticas das suas empresas em relação às tecnologias de AI. Estávamos particularmente interessados em entender o que é necessário para se destacar à medida que a adoção de AI cresce - e queríamos perceber como os adotantes estão a gerir os riscos em torno das tecnologias à medida que a gestão, a confiança e a ética da AI se tornam mais críticas.

Ao tomar o pulso global da AI, descobrimos os seguintes insights importantes:

  • Os utilizadores continuam a confiar na capacidade das tecnologias de AI em gerar valor e vantagem. Vemos níveis crescentes de implementação de tecnologia de AI e investimento financeiro. Os utilizadores dizem que estão a perceber uma vantagem competitiva e esperam que uma transformação impulsionada pela AI aconteça tanto para a sua organização quanto para o setor.
  • A vantagem do pioneiro pode desaparecer em breve. À medida que a adoção se torna omnipresente, as organizações movidas a AI podem ter que trabalhar mais para manter uma vantagem sobre a sua concorrência. Um indicador de nivelamento do campo de jogo: a maioria dos utilizadores espera que a AI em breve seja integrada a aplicações cada vez mais amplamente disponíveis.
  • Praticamente todos os utilizadores estão a usar AI para melhorar a eficiência; os utilizadores maduros também estão a aproveitar as tecnologias para aumentar a diferenciação. Usar AI para automação e otimização pode fornecer benefícios significativos, mas as organizações devem trabalhar para ir além desses objetivos, aproveitando a AI para criar novos produtos e formas de trabalho.
  • Os utilizadores de AI tendem a comprar mais do que constroem e consideram que a tecnologia de AI é crítica para obter uma vantagem competitiva. À medida que as opções de plataformas, soluções e fornecedores proliferam e melhoram, tornarem-se consumidores mais astutos de tecnologias de AI provavelmente irá tornar-se cada vez mais importante para as empresas. Ser capaz de integrar e dimensionar essas tecnologias, não importa de onde venham, também deve ser crítico.
  • Os utilizadores reconhecem os riscos da AI, mas uma "lacuna de preparação" abrange riscos estratégicos, operacionais e éticos. À medida que o uso cresceu, também aumentou a consciência dos vários riscos da AI - desde tendências não intencionais até a determinação da responsabilidade. O que parece não ter crescido o suficiente é a adoção de ações específicas para ajudar a mitigar esses riscos, mesmo por parte dos utilizadores mais qualificados.

Os atuais e futuros utilizadores de AI podem posicionar-se não apenas para sobreviver, mas para prosperar na era emergente da AI generalizada expandindo as conceções sobre o que a AI pode fazer e enfrentando os riscos da AI de frente.

Leia o relatório completo aqui.


Achou esta informação útil?