Comunicados de Imprensa

Mais mulheres em cargos de administração, mas ainda longe da liderança dos conselhos de administração

  • Em Portugal, 13% dos cargos de administração são ocupados por mulheres, mas apenas 2% lidera os conselhos de administração
  • A nível global, 4% dos conselhos de administração são presididos por mulheres
  • Empresas presididas por mulheres revelam uma maior diversidade de género, tendo duplicado o número de cargos de administração ocupados pelo género feminino

 

LISBOA, 02 de agosto de 2017 – Apesar da representatividade das mulheres nos cargos de administração continuar a aumentar a nível mundial, o número de mulheres que presidem os conselhos de administração permanece baixo. Em Portugal, apenas 13% dos cargos de administração das empresas são ocupados por mulheres e apenas 2% dos conselhos de administração são presididos por profissionais do género feminino, de acordo com a 5ª edição do estudo “Women in the Boardroom: A Global Perspective” da Deloitte. A nível global, as mulheres ocupam 15% dos cargos de administração e apenas 4% presidem o conselho de administração.

O estudo, que analisa os esforços realizados em mais de 60 países para promover a diversidade de género nos conselhos de administração, identifica uma correlação direta entre a liderança feminina, que inclui as funções de CEO (Chief Executive Officer) e de presidente do conselho de administração, e o número de mulheres com cargos de administração.

“Este estudo revela uma importante tendência: um maior número de mulheres a liderar o conselho de administração traduz-se numa maior diversidade de género. Nas organizações lideradas por mulheres, o número de cargos de administração ocupados pelo género feminino quase duplica”, afirma Dan Konigsburg, Managing Director do Center for Corporate Governance da Deloitte. “Ainda assim, a percentagem de mulheres a assumir cargos de liderança de topo continua a ser muito reduzida, com apenas 4% das posições de CEO e de presidente do conselho de administração a serem ocupadas por mulheres, a nível global.”

Relativamente a Portugal, João Costa da Silva, Center for Corporate Governance Lead Partner da Deloitte Portugal, explica que “apesar de as mulheres representarem mais de metade do total da população e de se graduarem em maior número do que os homens, ainda são poucas as que ocupam cargos de administração nas empresas nacionais. No entanto, é importante realçar que Portugal está a progredir na promoção da igualdade de género nos quadros de administração das empresas. No mês passado foi promulgada a lei que estabelece a criação de quotas de género nas administrações de empresas do setor empresarial do Estado e nas empresas cotadas em Bolsa, a partir do próximo ano.”

Principais conclusões do estudo “Women in the Boardroom”:  

Progresso desigual nos países da região da EMEA

  • A Noruega, o primeiro país da Europa a introduzir quotas de género, regista a percentagem mais elevada de mulheres em cargos de administração (42%). Neste país, 7% dos conselhos de administração são liderados por mulheres
  • No Reino Unido, apesar de não existirem quotas mínimas de género, 20% dos cargos de administração e 3% dos cargos de presidência são ocupados por mulheres
  • Em Itália, a percentagem de cargos de administração ocupados por mulheres aumentou para 28%. No entanto, o número de mulheres na liderança do conselho de administração caiu 14 pontos percentuais desde 2015, fixando-se agora nos 9% 

Falta de diversidade de género na região das Américas

  • Nos Estado Unidos da América, 14% dos cargos de administração são ocupados por mulheres, o que representa um aumento de dois pontos percentuais face aos valores registados em 2015. No entanto, a percentagem de conselhos de administração liderados por mulheres não progrediu, permanecendo abaixo dos 4%
  • No Canadá, as mulheres estão representadas em 18% dos cargos de administração, um aumento de 5% face a 2015. Contudo, a percentagem de conselhos de administração presididos por mulheres caiu dos 6% para os 5%
  • Na América Latina e do Sul, apenas 7% dos cargos de administração são ocupados por mulheres e apenas 2% dos conselhos de administração são liderados por profissionais do género feminino

Diversidade em ascensão na Australásia

  • Apesar de não existirem quotas de género relativamente ao número de mulheres em cargos de administração na Austrália, os números continuam a melhorar. A percentagem de cargos ocupados por mulheres na administração é atualmente de 20% e a percentagem de conselhos liderados pelo género feminino é de 5%
  • A Nova Zelândia registou o crescimento mais forte desde 2015. O número de mulheres em cargos de administração aumentou para os 28%, um crescimento de 10 pontos percentuais. O número de mulheres na liderança dos conselhos de administração aumentou para os 11%, um crescimento de 6 pontos percentuais

Ásia Pacífico mais distante face a outras regiões

  • Com apenas 8%, a diversidade em algumas das principais economias da Ásia é a mais baixa quando comparada com outras regiões do mundo. Apenas um pequeno grupo de países da região possui quotas ou outras abordagens para endereçar esta questão. 

Aceda aqui ao estudo na íntegra.

Para mais informações contacte:

Communications & Media Relations

Filipa Matos
mamatos@deloitte.pt
Tel: 210 423 038

Miguel Jerónimo
mijeronimo@deloitte.pt
Tel: 210 423 064

Sobre o estudo “Women in the Boardroom: A Global Perspective”

A MSCI ESG Research Inc., com a coordenação da Deloitte Global, reuniu dados sobre a diversidade nos conselhos de administração junto de aproximadamente 7.000 empresas em 44 países, distribuídos entre as regiões da Ásia Pacífico, Américas e EMEA. A informação foi obtida a partir de 15 de dezembro de 2016. Partindo destes dados, o estudo “Women in the Boardroom” traça uma análise global, regional e por país, do progresso registado em torno da diversidade de género nos conselhos de administração. Analisa ainda a forma como as mulheres estão representadas nas 6 principais indústrias – serviços financeiros, mercado de consumo, tecnologia, media e telecomunicações, produção, ciências da vida e cuidados de saúde, e energia e recursos. Para complementar estes dados, a Deloitte Global reuniu informação sobre quotas de género e outras iniciativas que promovem uma maior diversidade nos conselhos de administração, em 20 países adicionais. Desta forma, e no total, o estudo explora os esforços realizados por 64 países na promoção da diversidade de género nos conselhos de administração. Foram também realizadas entrevistas a 4 diretores da Austrália, Japão, RU e EUA, no sentido de reunir uma perspetiva mais editorial sobre as conclusões do estudo e obter uma visão em relação à forma como a diversidade nos cargos de administração está a progredir nas regiões que representam.

 

Sobre o Global Center for Corporate Governance

O Center for Corporate Governance da Deloitte agrega o conhecimento e a experiência das firmas membro da Deloitte na área de Corporate Governance. Tem como missão promover o diálogo entre os profissionais da Deloitte, as organizações e os seus conselhos de administração, os investidores, o meio académico e o Governo. Existem atualmente 44 centros, dispersos pela Ásia, Europa, Médio Oriente, África e Américas. Saiba mais em www.global.corpgov.deloitte.com.

 

Sobre a Deloitte

“Deloitte” refere-se a Deloitte Touche Tohmatsu Limited, uma sociedade privada de responsabilidade limitada do Reino Unido (DTTL), ou a uma ou mais entidades da sua rede de firmas membro e respetivas entidades relacionadas. A DTTL e cada uma das firmas membro da sua rede são entidades legais separadas e independentes. A DTTL (também referida como “Deloitte Global”) não presta serviços a clientes. Aceda a www.deloitte.com/pt/about para saber mais sobre a nossa rede global de firmas membro.

A Deloitte presta serviços de audit & assuranceconsulting, financial advisory, risk advisory, tax e serviços relacionados a clientes nos mais diversos setores de atividade. Quatro em cada cinco empresas da Fortune Global 500® recorrem aos serviços da Deloitte, através da sua rede global de firmas membro presente em mais de 150 países, combinando competências de elevado nível, conhecimento e serviços de elevada qualidade para responder aos mais complexos desafios de negócio dos seus clientes. Para saber como os aproximadamente 245.000 profissionais criam um impacto positivo, siga a nossa página no FacebookLinkedIn ou Twitter.

Achou esta informação útil?