Comunicados de Imprensa

Revolução tecnológica acelerada exige “empresas cinéticas”

Com interesse

Tecnologias e tendências inovadoras têm a capacidade para transformar de forma disruptiva organizações e modelos de negócio

 

As empresas e os respetivos líderes devem distanciar-se do “ruído promocional” que existe em torno das novas tecnologias e tendências, e focar a sua energia na compreensão do ecossistema de negócio (clientes, parceiros, concorrentes, etc.) em que se integram e na identificação das soluções que terão efetivamente maior impacto no respetivo negócio, atual e futuro. As conclusões são da oitava edição do estudo “Tech Trends 2017: The Kinetic Enterprise”, da Deloitte, que analisa a evolução da tecnologia no mundo empresarial.

Entre as sete tendências chave identificadas com potencial para revolucionar a tecnologia no mundo empresarial entre os próximos 18 a 24 meses, encontram-se a inteligência artificial, o dark analytics e a realidade mista - uma combinação de realidade aumentada, Internet das Coisas e realidade virtual. O Tech Trends 2017 identifica ainda as inovações na área do analytics, do digital e da cloud, que estão a transformar a forma como as organizações interagem com os seus clientes e com a sociedade, mas também a reinventar os produtos, os serviços e os modelos de negócio.

“As empresas cinéticas são mais flexíveis e os seus líderes compreendem que, para se manterem relevantes, precisam de respostas inovadoras que façam face a estas forças disruptivas”, afirma Nuno Carvalho, partner responsável por Consultoria em Tecnologia, da Deloitte. “Não se trata de acompanhar a totalidade das inovações que surgem, mas sim de traduzir o potencial da tecnologia emergente num conjunto de prioridades com impacto tangível e mensurável no respetivo negócio.”

De acordo com o estudo, entre as tendências que vão revolucionar o cenário empresarial a partir de 2017 encontram-se as seguintes:

  • Dark analytics: Os avanços na visão computacional e no reconhecimento de padrões permitem às empresas examinar os fluxos de dados não estruturados, como imagens, áudio, vídeo e outras informações alojadas na “web profunda”. Estas ferramentas podem gerar informação estratégica e operacional relevante para as empresas e prepará-las para o próximo nível de conhecimento tecnológico.
  • Everything-as-a-Service: Os ecossistemas baseados em serviços estão a tornar-se cada vez mais comuns nos negócios. Este modelo requer sistemas abertos e flexíveis, que permitam estender, ou mesmo substituir, a funcionalidade inerente aos sistemas legados/core. Seja através da adoção de soluções de package (p.e. ERPs de próxima geração) ou de aplicações desenvolvidas, este paradigma potencia a obtenção de níveis de eficiência e de flexibilidade superiores, facilitando processos de inovação e experimentação empresarial.
  • Inteligência Artificial: A inteligência artificial e a aprendizagem automática não se limitam a proporcionar novas visões e recomendações de negócio. Estas tecnologias têm o potencial para automatizar tarefas complexas e críticas para o sucesso das empresas, quer por via de práticas de analítica cognitiva e preditiva, quer pela adoção de bots e processos de robótica.

“Esta nova realidade ultrapassa os limites de responsabilidade tradicional de CIOs e funções de TI, uma vez que muitas destas novas “tecnologias” emanam do próprio negócio e têm o potencial para os alterar de forma disruptiva”, refere Rui Vaz, partner de Consultoria em Tecnologia, nas indústrias não financeiras, da Deloitte. Tecnologias de inteligência artificial, blockchain, etc., terão enormes implicações na estratégia, operação e capacidades /competências das organizações em geral. Desenvolver uma estratégia que defina prioridades de investimento neste contexto, bem como um modelo de integração dos mesmos nos processos de negócio, é um imperativo para o sucesso das “empresas cinéticas”.

No capítulo “Exponentials”, o estudo identifica as quatro áreas que cruzam a ciência e as tecnologias aplicadas, nomeadamente a nanotecnologia, o armazenamento avançado de energia, a biologia sintética e computação quântica. Os líderes empresariais das diversas indústrias devem estar cientes do potencial destes desenvolvimentos tecnológicos e explorar formas de integrar estas soluções nas suas organizações.

Cada capítulo conta adicionalmente com uma secção de “Cyber Implications” para apoiar os CIOs a equilibrar o potencial das tecnologias com as questões de segurança, privacidade e conformidade. Para as “empresas cinéticas”, encontrar este equilíbrio é fundamental e reflete uma mudança na visão estratégica do risco, que passa a ser encarado como uma disciplina central. O documento inclui ainda profissionais da Deloitte na sua relação com governos, empresas e com a sociedade.

Aceda aqui ao estudo Tech Trends 2017.

Para mais informações contacte:

Communications & Media Relations

Filipa Matos
mamatos@deloitte.pt
Tel: 210 423 038

Miguel Jerónimo
mijeronimo@deloitte.pt
Tel: 210 423 064

Sobre a Deloitte

“Deloitte” refere-se a Deloitte Touche Tohmatsu Limited, uma sociedade privada de responsabilidade limitada do Reino Unido (DTTL), ou a uma ou mais entidades da sua rede de firmas membro e respetivas entidades relacionadas. A DTTL e cada uma das firmas membro da sua rede são entidades legais separadas e independentes. A DTTL (também referida como “Deloitte Global”) não presta serviços a clientes. Aceda a www.deloitte.com/pt/about para saber mais sobre a nossa rede global de firmas membro.

A Deloitte presta serviços de auditoria, consultoria, financial advisory, risk advisory, consultoria fiscal e serviços relacionados a clientes nos mais diversos setores de atividade. Quatro em cada cinco empresas da Fortune Global 500® recorrem aos serviços da Deloitte, através da sua rede global de firmas membro presente em mais de 150 países, combinando competências de elevado nível, conhecimento e serviços de elevada qualidade para responder aos mais complexos desafios de negócio dos seus clientes. Para saber como os aproximadamente 245.000 profissionais criam um impacto positivo, siga a nossa página no Facebook, LinkedIn ou Twitter.

Did you find this useful?